Óleo Essencial de Capim Limão QUINARÍ
  • oe_capim_limao_10ml

Óleo Essencial de Capim Limão QUINARÍ

R$27,80R$350,00

Na aromaterapia, o óleo essencial de capim limão QUINARÍ é bastante utilizado com antisséptico e repelente. Óleo refrescante, ajuda a promover a paz, a calma e a tranquilidade.

Limpar Seleção
REF: 979 Categorias ,
000
Nome do Produto: Óleo essencial de capim limão QUINARÍ / Óleo essencial de capim cidreira
Nome em Inglês: Lemongrass essential oil
Nome Científico: Cymbopogon citratus
Número de Registro na ANVISA: 25351.179913/2017-23
Código de Barras: 789845269 439 6
Origem: Brasil
Método de extração: Arraste de vapor das folhas
Descrição: Líquido amarelo, de odor fresco
Aromaterapia: Óleo tônico e refrescante, bastante utilizado com antisséptico e repelente. Ajuda a promover a paz, a calma e a tranquilidade.
Principais componentes: Citral
   100% Puro Não Testado em Animais

 

Capim Limão ou Lemongrass

O capim limão, bem como as outras espécies aromáticas do gênero Cymbopogon, são originadas do Sudeste asiático e são exigentes em calor, umidade e radiação solar. Trata-se de uma planta perene, que forma touceiras devido ao seu intenso perfilhamento, e que pode atingir até 2 metros de altura. Suas folhas, ásperas ao tato e cortantes, são glabras, com 60 a 100 cm de comprimento e 0,5 a 1,5 cm de largura. Seu florescimento é raro, ocorrendo apenas em condições climáticas específicas e o plantio pode ser feito em qualquer época do ano nas regiões quentes, desde que não ocorra déficit hídrico. Suas lavouras, por fim, são geralmente exploradas por 3 a 5 anos, apresentando um rendimento de massa fresca de 50 a 60 toneladas de folhas por hectare ao ano, com a média de 4 colheitas por ano.

Óleo Essencial de Capim Limão

O óleo essencial de capim limão, conhecido internacionalmente como lemongrass oil, é extraído por destilação a vapor das folhas verdes ou secas de algumas plantas do gênero Cymbopogon, que possui aproximadamente 56 espécies aromáticas. Dentre essas espécies, há duas que predominam comercialmente. A primeira delas, de nome científico Cymbopogon flexuosus, é conhecida como capim-limão da Índia Oriental, sendo este o capim-limão do qual tratam os livros de aromaterapia internacionais (às vezes erroneamente chamado de citronela ou confundido com a mesma). Já o segundo é o Cymbopogon citratus, conhecido no Brasil por capim-cidreira, erva-cidreira ou capim-santo. São plantas diferentes, e, no Brasil, existe um predomínio da segunda, o C. citratus.

Na cultura popular, essas plantas são indicadas como calmantes e sedativas, além de combaterem a febre e a dor de cabeça. Quantos aos óleos, ambos possuem propriedades bactericidas, anti-sépticas, analgésicas e antifúngicas, mostrando-se ativos contra o Aspergillus flavus, um fungo comum em alimentos que são estocados em galpões. Entretanto, por conter mais mirceno, o óleo de C. citratus exerce uma ação analgésica local mais interessante, já que, segundo comprovações científicas, tal componente apresenta propriedades sedativas do sistema nervoso periférico. Por fim, são ainda de extrema importância para a indústria de perfumaria, pois o citral, extraído de ambos, é o responsável pelo efeito cítrico de diversas fragrâncias – além de atuar (o citral) na síntese de iononas, considerados compostos de aromas mais delicados.

Aromaterapia

O uso dos óleos essenciais para fins medicinais é conhecido desde a remota antiguidade. Há registros pictóricos de seis mil anos atrás, entre os egípcios, de práticas religiosas associadas à cura de males através destes óleos. De acordo com Tisserand e Young (2014) em “Essential Oils Safety”, os óleos essenciais estão no domínio público por mais de 100 anos e atualmente cerca de 400 óleos são empregados na fabricação de cosméticos, produtos farmacêuticos, alimentos, bebidas, materiais de limpeza e na indústria dos perfumes. Destes, cerca de 100 óleos essenciais são regularmente empregados na aromaterapia contemporânea. A aromaterapia, conforme Jane Buckle (2014) em “Clinical Aromatherapy”, é uma terapia multifacetada que visa proporcionar bem-estar e/ou a cura de enfermidades por meio da utilização dos óleos essenciais.

A palavra “aromaterapia” foi criada por René-Maurice Gattefossé, um engenheiro químico formado pela Universidade de Lyon e um dos primeiros estudiosos das propriedades terapêuticas dos óleos essenciais. Ela apareceu pela primeira vez na edição de dezembro de 1935 na revista “L’Parfumarie Moderne”, a qual também nomeou uma coluna de artigos escritos por Gattefossé ao longo de 1936. Em seguida, o termo “aromaterapia” foi também bastante utilizado por Marguerite Maury (1961), uma enfermeira, e por Jean Valnet (1976), um médico, que contribuíram imensamente para o avanço (e popularidade) da aromaterapia clínica, demonstrando a sua eficácia no tratamento de várias moléstias. De lá para cá, a aromaterapia se encorpou e ganhou respaldo técnico-científico. Atualmente, ela é bastante popular na Europa, em especial na França e Inglaterra, e vem ganhando cada vez mais adeptos em todas as partes do mundo.

leia-mais

Informação Adicional

Peso 300 g
Dimensões 10 x 10 x 10 cm
Conteúdo

100ML, 10ML, 1L, 500ML