Óleo Essencial de Junípero (Zimbro) QUINARÍ
  • oe_junipero_10ml

Óleo Essencial de Junípero (Zimbro) QUINARÍ

R$72,90R$523,80

Na aromaterapia, o óleo essencial de junípero (zimbro) QUINARÍ possui propriedades antissépticas e rejuvenescedoras. Também age como estimulante da circulação e desintoxicante.

Limpar Seleção
REF: 727 Categoria
000
Nome do Produto: Óleo essencial de junípero QUINARÍ / Óleo essencial de zimbro
Nome em Inglês: Juniper essential oil
Nome Científico: Juniperus communis
Número de Registro na ANVISA: 25351.179766/2017-81
Código de Barras: 789845269 436 5
Origem: Croácia
Método de extração: Arraste de vapor das bagas desidratadas e das folhas
Descrição: Líquido incolor a amarelo palha, de odor fresco, amadeirado, doce
Aromaterapia: Óleo que possui propriedades antissépticas e rejuvenescedoras. Também age como estimulante da circulação e desintoxicante.
Principais componentes: Junenol
100% Puro Não Testado em Animais

 

Junípero

A árvore do junípero (Juniperus communis), também conhecida por zimbro, pode ser facilmente encontrada no hemisfério norte. Trata-se de uma espécie perene cuja altura, em média, varia de 1 a 2 metros. Suas folhas, em formato de agulhas, são firmes e fortes e seus frutos, semelhantes à uva, são pequenos, redondos e adquirem uma coloração escura quando maduros. Na verdade, o junípero apresenta uma estrutura que antecipa o fruto – conhecida erroneamente por “baga de zimbro” – e que demora de 2 a 3 anos para ficar madura. Esta baga, há tempos, vem sendo utilizada para os mais diversos fins, por exemplo: suas propriedades, segundo a medicina popular, podem contribuir com o tratamento da depressão, cistite e infecção vaginal. Já na indústria, ela é conhecida por fazer parte da composição do Gim, uma bebida alcoólica classificada como “quente”.

Óleo Essencial de Junípero

O óleo essencial de junípero (zimbro) é um líquido que apresenta um forte e característico cheiro de pinheiro com um leve toque de pimenta ao fundo. Seu rendimento, em óleo, varia de 0,2-2%; o qual é extraído preferencialmente por arraste de vapor de suas bagas desidratadas e folhas em países como Áustria, Canadá, França, Hungria, Índia e Itália. Sua coloração vai do incolor ao amarelo-esverdeado pálido. Dadas suas características químicas, o óleo essencial de junípero é considerado um excelente anti-séptico. Em um estudo português, ele demonstrou excelente potencial bactericida e/ou bacteriostático contra diversas espécies de bactérias gram-positivas e gram-negativas, o que explica a sua utilização, no passado, na limpeza e desinfecção de leitos de hospitais. Apresenta, também, uma importante atividade desintoxicante e estimulante da circulação, o que é ótimo para reduzir (e prevenir) as indesejadas celulites. Afirma-se que este óleo, em associação com o de palmarosa, promete maravilhas para a pele, especialmente como rejuvenescedor; sendo indicado, portanto, para peles maduras. Por fim, o óleo essencial de junípero também mostra-se benéfico para o sistema digestivo, regulando o apetite, e ajuda a eliminar o ácido úrico, sendo útil para os tratamentos de artrite, reumatismo e gota.

Aromaterapia

O uso dos óleos essenciais para fins medicinais é conhecido desde a remota antiguidade. Há registros pictóricos de seis mil anos atrás, entre os egípcios, de práticas religiosas associadas à cura de males através destes óleos. De acordo com Tisserand e Young (2014) em “Essential Oils Safety”, os óleos essenciais estão no domínio público por mais de 100 anos e atualmente cerca de 400 óleos são empregados na fabricação de cosméticos, produtos farmacêuticos, alimentos, bebidas, materiais de limpeza e na indústria dos perfumes. Destes, cerca de 100 óleos essenciais são regularmente empregados na aromaterapia contemporânea. A aromaterapia, conforme Jane Buckle (2014) em “Clinical Aromatherapy”, é uma terapia multifacetada que visa proporcionar bem-estar e/ou a cura de enfermidades por meio da utilização dos óleos essenciais.

A palavra “aromaterapia” foi criada por René-Maurice Gattefossé, um engenheiro químico formado pela Universidade de Lyon e um dos primeiros estudiosos das propriedades terapêuticas dos óleos essenciais. Ela apareceu pela primeira vez na edição de dezembro de 1935 na revista “L’Parfumarie Moderne”, a qual também nomeou uma coluna de artigos escritos por Gattefossé ao longo de 1936. Em seguida, o termo “aromaterapia” foi também bastante utilizado por Marguerite Maury (1961), uma enfermeira, e por Jean Valnet (1976), um médico, que contribuíram imensamente para o avanço (e popularidade) da aromaterapia clínica, demonstrando a sua eficácia no tratamento de várias moléstias. De lá para cá, a aromaterapia se encorpou e ganhou respaldo técnico-científico. Atualmente, ela é bastante popular na Europa, em especial na França e Inglaterra, e vem ganhando cada vez mais adeptos em todas as partes do mundo.

leia-mais

Informação Adicional

Peso 300 g
Dimensões 10 x 10 x 10 cm
Conteúdo

100ML, 10ML