Óleo Essencial de Olíbano QUINARÍ
  • Óleo Essencial de Olíbano

Óleo Essencial de Olíbano QUINARÍ

R$118,40R$725,70

Na aromaterapia, o óleo essencial de olíbano QUINARÍ auxilia no tratamento de resfriados, o qual regula as secreções em geral e promove o alívio da tosse. Também pode ser útil na depressão pós-parto.

Limpar Seleção
REF: 158 Categoria
000
Nome do Produto: Óleo essencial de olíbano QUINARÍ
Nome em Inglês: Frankincense essential oil (olibanum)
Nome Científico: Boswellia carterii
Número de Registro na ANVISA: 25351.351356/2018-97
Código de Barras: 78984526 952 2
Origem: Somália
Método de extração: Arraste de vapor da resina
Descrição: Líquido amarelado, de odor característico
Aromaterapia: Óleo que auxilia no tratamento de resfriados, o qual regula as secreções em geral e promove o alívio da tosse. Também pode ser útil na depressão pós-parto.
Principais componentes: Pineno (pinene)
100% Puro Não Testado em Animais

 

Obíbano

O termo “olíbano” provavelmente significa “Óleo do Líbano“. O vocábulo francês correspondente é frankincense, que significa incenso real. O olíbano era queimado nos altares do Egito como oferenda aos deuses e era usado como um recurso facilitador da meditação, uma tradição que ainda é mantida em algumas religiões. Também era usado para fumigar o enfermo com o objetivo de expulsar os maus espíritos. Os egípcios normalmente o incorporavam à canela para aliviar as dores nos membros. Na verdade, os hebreus e os egípcios gastavam uma fortuna com a importação do olíbano dos fenícios. Naquele tempo, o valor desse óleo era tão elevado, comparável ao do ouro, que ele foi oferecido ao menino Jesus. Os egípcios empregavam-no na fabricação de máscaras cosméticas de rejuvenescimento e, em forma de pó e cinza, o incenso era o principal componente do tradicional Kohl Negro que as mulheres egípcias usavam como maquiagem. Os chineses o consideravam útil no tratamento da escrófula, a tuberculose das glândulas linfáticas. Hoje o olíbano é empregado como fixador em perfumes.

Óleo Essencial de Olíbano

O óleo essencial de olíbano tem efeito evidente sobre as mucosas, sendo especialmente útil no processo de limpeza dos pulmões. Tem excelente efeito na respiração, amenizando a dificuldade de respirar. Útil para quem sofre de asma e regula as secreções em geral. Tem ação calmante nos resfriados e age como aliviador em casos de tosse, bronquite e laringite. Parece beneficiar o aparelho geniturinário, amenizando os efeitos da cistite, da nefrite e das infecções genitais em geral. Suas propriedades adstringentes podem aliviar hemorragias uterinas e condições de fluxo menstrual intenso e, em geral, age como um tônico para o útero. O óleo essencial de olíbano é considerado benéfico para o trabalho de parto em virtude de sua ação calmante e pode aliviar a depressão pós-natal. Também pode ser usado no tratamento de inflamação dos seios, além de apresentar efeito calmante sobre o estômago, facilitando a digestão.

Aromaterapia

O uso dos óleos essenciais para fins medicinais é conhecido desde a remota antiguidade. Há registros pictóricos de seis mil anos atrás, entre os egípcios, de práticas religiosas associadas à cura de males através destes óleos. De acordo com Tisserand e Young (2014) em “Essential Oils Safety”, os óleos essenciais estão no domínio público por mais de 100 anos e atualmente cerca de 400 óleos são empregados na fabricação de cosméticos, produtos farmacêuticos, alimentos, bebidas, materiais de limpeza e na indústria dos perfumes. Destes, cerca de 100 óleos essenciais são regularmente empregados na aromaterapia contemporânea. A aromaterapia, conforme Jane Buckle (2014) em “Clinical Aromatherapy”, é uma terapia multifacetada que visa proporcionar bem-estar e/ou a cura de enfermidades por meio da utilização dos óleos essenciais.

A palavra “aromaterapia” foi criada por René-Maurice Gattefossé, um engenheiro químico formado pela Universidade de Lyon e um dos primeiros estudiosos das propriedades terapêuticas dos óleos essenciais. Ela apareceu pela primeira vez na edição de dezembro de 1935 na revista “L’Parfumarie Moderne”, a qual também nomeou uma coluna de artigos escritos por Gattefossé ao longo de 1936. Em seguida, o termo “aromaterapia” foi também bastante utilizado por Marguerite Maury (1961), uma enfermeira, e por Jean Valnet (1976), um médico, que contribuíram imensamente para o avanço (e popularidade) da aromaterapia clínica, demonstrando a sua eficácia no tratamento de várias moléstias. De lá para cá, a aromaterapia se encorpou e ganhou respaldo técnico-científico. Atualmente, ela é bastante popular na Europa, em especial na França e Inglaterra, e vem ganhando cada vez mais adeptos em todas as partes do mundo.

leia-mais

Informação Adicional

Peso 300 g
Dimensões 10 x 10 x 10 cm
Conteúdo

100ML, 10ML