Óleo Essencial de Sálvia Esclareia QUINARÍ
  • Óleo Essencial de Sálvia Esclareia

Óleo Essencial de Sálvia Esclareia QUINARÍ

R$88,80R$568,90

Na aromaterapia, o óleo essencial de sálvia esclareia QUINARÍ demonstra propriedades antidepressivas, antioxidantes e antiespasmódicas. Ajuda a controlar o balanço hormonal, minimizando a irritação causada pela TPM e as ondas de calor do climatério.

Limpar Seleção
REF: 2334 Categorias ,
000
Nome do Produto: Óleo essencial de sálvia esclareia (sclarea) QUINARÍ
Nome em Inglês: Clary sage essential oil
Nome Científico: Salvia sclarea
Número de Registro na ANVISA: 25351.183071/2017-37
Código de Barras: 789845269 445 7
Origem: Russia
Método de extração: Arraste de vapor das folhas
Descrição: Líquido incolor a amarelo palha, de odor fresco, seco, doce, suave e herbal
Aromaterapia: Óleo com propriedades antidepressivas, antioxidantes e antiespasmódicas. Ajuda a controlar o balanço hormonal, minimizando a irritação causada pela TPM e as ondas de calor do climatério.
Principais componentes: Esclareol (sclareol)
100% Puro Não Testado em Animais

 

Sálvia Esclaréia (Salvia sclarea)

A sálvia esclaréia, ou clary sage, é uma planta nativa do Mediterrâneo, sul da França, Itália e Marrocos que pertence à família Lamiaceae. Seu nome, que significa “claro”, deriva da palavra latina “clarus” em alusão as propriedades atribuídas ao seu chá que, segundo conta a história, permitia aos antigos sábios a “enxergar” o futuro com maior clareza. Trata-se de uma planta pequena, cuja altura varia de 60 a 100 cm, e apresenta grandes folhas peludas, com simpáticas flores azuis, brancas ou roxas. Muito versátil, a esclaréia vem sendo utilizada há séculos para os mais diversos fins, desde como matéria-prima para adulterar vinhos moscatel à manipulação de remédios, por conta de suas propriedades carminativas, anti-inflamatórias e estrogênicas.

Óleo Essencial de Sálvia Esclaréia

O óleo essencial de sálvia esclaréia, ou clary sage oil, CAS number 8016-63-5, é um líquido amarelado de odor semelhante ao do âmbar gris, com um toque nodoso, que remete ao vinho, agridoce, espesso e forte. É extraído, geralmente, por arraste a vapor das partes aéreas da Salvia sclarea, onde o seu rendimento, sobre a biomassa, gira em torno de 1%. Quanto à sua composição química, esta difere da de outras espécies do mesmo gênero e apresenta, sobretudo, álcoois monoterpênicos, como acetato de linalilo (56-78%) e linalol (6,5-24%), sesquiterpenos, como o germacreno D (1-12%) e diterpenos, como o esclareol (0,4-2,6%), este, o seu marcador químico. De acordo com alguns estudos, o esclareol é antioxidante, calmante do sistema nervoso e é capaz de aliviar espasmos musculares e os sintomas da TPM. E não é só. Na indústria de perfumaria, é utilizado como matéria-prima para a síntese de ambroxan (ou ambrox [Firmenich], amberlyn [Quest]), um éster na forma de cristais brancos que possui uma fina nota ambarada (um tanto metálica), com excelente desenvoltura.

O óleo essencial de sálvia esclaréia vem sendo utilizado pelos mais diversos ramos da indústria. No ramo alimentício, é usado como um aromatizante de amplo espectro, sendo empregado, em especial, aos embutidos – produtos constituídos a base de carne condimentada e picada, como salsichas. Na perfumaria, devido à sua nota quente, ambarada, é utilizado na formulação de diversas fragrâncias, sobretudo nas composições mais sensuais e sofisticadas. E por fim, por conta de suas propriedades terapêuticas, ele pode ser encontrado nos mais diversos produtos, de cremes hidratantes à remédios para os calores da menopausa. Sobre o seu potencial terapêutico, um adendo: já está comprovado que este óleo, realmente, apresenta atividade “estrogen-like” devido à presença de moléculas quimicamente parecidas com o estrógeno feminino na sua composição, como o esclareol. Para a mulher, isto significa que ele pode contribuir com o seu balanço hormonal, minimizando, por exemplo, a irritação causada pela TPM e as ondas de calor (fogachos) do climatério. Além disso, ele ainda atua como um calmante do sistema nervoso, reduz a pressão arterial (hipotensor) e auxilia em problemas do trato respiratório.

Aromaterapia

O uso dos óleos essenciais para fins medicinais é conhecido desde a remota antiguidade. Há registros pictóricos de seis mil anos atrás, entre os egípcios, de práticas religiosas associadas à cura de males através destes óleos. De acordo com Tisserand e Young (2014) em “Essential Oils Safety”, os óleos essenciais estão no domínio público por mais de 100 anos e atualmente cerca de 400 óleos são empregados na fabricação de cosméticos, produtos farmacêuticos, alimentos, bebidas, materiais de limpeza e na indústria dos perfumes. Destes, cerca de 100 óleos essenciais são regularmente empregados na aromaterapia contemporânea. A aromaterapia, conforme Jane Buckle (2014) em “Clinical Aromatherapy”, é uma terapia multifacetada que visa proporcionar bem-estar e/ou a cura de enfermidades por meio da utilização dos óleos essenciais.

A palavra “aromaterapia” foi criada por René-Maurice Gattefossé, um engenheiro químico formado pela Universidade de Lyon e um dos primeiros estudiosos das propriedades terapêuticas dos óleos essenciais. Ela apareceu pela primeira vez na edição de dezembro de 1935 na revista “L’Parfumarie Moderne”, a qual também nomeou uma coluna de artigos escritos por Gattefossé ao longo de 1936. Em seguida, o termo “aromaterapia” foi também bastante utilizado por Marguerite Maury (1961), uma enfermeira, e por Jean Valnet (1976), um médico, que contribuíram imensamente para o avanço (e popularidade) da aromaterapia clínica, demonstrando a sua eficácia no tratamento de várias moléstias. De lá para cá, a aromaterapia se encorpou e ganhou respaldo técnico-científico. Atualmente, ela é bastante popular na Europa, em especial na França e Inglaterra, e vem ganhando cada vez mais adeptos em todas as partes do mundo.

leia-mais

Informação Adicional

Peso 300 g
Dimensões 10 x 10 x 10 cm
Conteúdo

100ML, 10ML